terça-feira, 27 de dezembro de 2011



7 DICAS PARA 2012


Primeira dica: Decida que a paz interior é o que é mais importante para a sua vida. Afirme para si mesmo: " Sentir-me em paz é o que mais importa para mim, eu escolho a paz interior". Repita essa frase muitas e muitas vezes até que essa idéia se torne parte do seu ser, refletindo-se nos seus pensamentos e acções.

Se a paz interior é o mais importante para a sua vida, você irá escolher viver o agora, pois viver no futuro e ficar em paz é incompatível. Sim, você poderá fazer o planos para atingir um objetivo. Poderá pensar no futuro para concretizar algo, mas assim que terminar de planear, você voltará ao presente. Gradualmente você viverá a ordem natural das coisas: viver o agora a maior parte do tempo e fazer breves visitas ao futuro por meio dos seus pensamentos.

Segunda dica: A segunda dica para ficar em paz é aceitar cada momento que surge do jeito que ele é. Indubitavelmente muitos momentos se apresentarão de uma forma que você não deseja. Observe a sua reação. Você sente a contrariedade tomar conta de si? Lembre-se novamente da afirmação: " Sentir-me em paz é o que mais importa, eu escolho a paz interior". Você pode ainda completar: "Eu escolho a aceitação". Aceite o agora como ele se apresenta.

Por favor não confundir aceitação com conformismo, inoperância ou falta de atitude. Se é possível fazer algo para mudar a situação para melhor, faça. Mas escolha sentir-se em paz primeiro e depois aja. Agindo dessa forma suas acções serão muito mais eficazes. Não condicione o seu bem estar a resolução da situação. E caso não seja mesmo possível fazer nada para mudar, apenas aceite total e incondicionalmente e fique em paz. Aceitar significa não criar uma resistência interior aquilo que já é. Brigar com aquilo que já é, é insanidade, coisa do ego.

A mente egóica irá tentar convencê-lo a brigar mentalmente com a situação tirando a sua tranquilidade. Fique atento, observe, e não dê energia a esses pensamentos. A repetição das afirmações de paz irá ajudá-lo a manter-se firme no seu propósito.

Terceira dica: Tenha muita paciência consigo mesmo. Viver no agora e praticar a aceitação exige treino. A mente vem sendo condicionada há muitas gerações a funcionar de determinada maneira. O impulso da não aceitação e de viver no futuro será forte no início. Mas, gradativamente, com persistência e paciência o padrão vai mudando. Vale a pena insistir.

Quarta dica: Pare de reclamar de qualquer coisa que seja: governo, marido, filhos, fila do banco, engarrafamento, impostos, funcionários, de você mesmo, dos homens, das mulheres, do seu corpo... A reclamação é a manifestação mais clara da não aceitação. Qual é a sensação interior que surge quando começamos a reclamar? É algo agradável? Traz paz interior? Claro que não. Do ponto de vista prático, reclamar não muda em nada a situação e faz-nos sentir mal.

Um esclarecimento. Parar de reclamar não significa ficar cego ou deixar de reconhecer o mau funcionamento de alguma coisa e as atitudes negativas de alguém. Continuamos vendo tudo, mas sem gerarmos a negatividade no nosso interior que apenas nos prejudica. Podemos ainda tomar atitudes caso esteja ao nosso alcance. Mas primeiro lembre-se que ficar em paz é o seu maior objectivo, e depois aja.

Quinta dica: Afasta-se cada vez mais do noticiário da televisão, jornais, revista e internet. Muita ansiedade, pessimismo, medo e outros sentimentos são causados ou alimentados pela pesada carga de negatividade que as pessoas absorvem diariamente. As pessoas e a sua própria mente tentarão convencê-lo de que é preciso estar informado para não ficar "alienado". Mas o que observamos é que cada vez mais as pessoas ficam alienadas por consumirem informação demais. Tornam negativas e cheias de crenças limitantes, mas pensam que são pessoas realistas e bem informadas.

Sexta dica: Busque auto conhecimento e ferramentas que podem ajudá-lo. Existem inúmeras técnicas e tratamentos: faça uma terapia, pratique meditação, pratique Kundalini Yoga, receba massagem, pratique alguma forma de arte (dançar, pintar, cantar...), invista em cursos de auto conhecimento, invista em trabalhos terapêuticos, e etc...

Sétima dica: Observe a sua mente tentando tirar a sua paz interior. É apenas um velho condicionamento. De repente dá-se conta que está relembrando uma situação do passado e dizendo "eu deveria ter feito isso e aquilo", "foi muito desrespeito de fulano", "quem ele pensa que é". As vezes surgem lembranças de situações desagradáveis do passado e as alimentamos de forma automática com comentários e pensamentos. E outras vezes surgem discussões mentais que nem houveram. Imaginamos o que deveríamos ter dito e também coisas que e o outro nem disse, mas que supomos que ele deve ter pensado. É muita viagem mental. Mais uma vez, ao dar-se conta desses pensamentos, tenha muita paciência com você mesmo. Aceite-os e procure não lhes dar mais energia pra. As frases de paz interior o ajudarão novamente a manter o foco.



Baseado num texto de André Lima

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

De quanto sofrimento você precisa?


Racionalmente todos nós vamos dizer que desejamos livrar-nos de qualquer tipo de sofrimento. Entretanto, criamos uma identificação com os sentimentos negativos guardados, e eles acabam somando-se ao nosso senso de identidade, fortalecendo o ego que é o falso eu interior que carregamos.
O ego manipula-nos para sobreviver e crescer, e nós, de forma inconsciente, protegemos, defendemos e arranjamos desculpas para manter a negatividade interior que nos faz sofrer.
Todas as vezes que afirmamos que ainda não estamos prontos para mudar, inconscientemente estaremos dizendo “ainda não sofri o suficiente para mudar”. É a manifestação do ego manipulando-nos. Ele precisa da nossa inconsciência, ou seja da nossa falta de percepção para poder prosperar. No momento que trazemos para a luz da consciência os seus mecanismos sabotadores ocultos percebemos a sua insanidade e podemos então libertar-nos, já que será difícil alimentar algo que agora entendemos que é completamente insano.
Em várias situações da nossa vida esses mecanismos irão manifestar-se mantendo-nos presos a situações que dizemos querer libertar-nos: relacionamentos doentios, um mau emprego, uma doença física, uma amizade que nos faz mal, hábitos nocivos, uma confusão que não conseguimos organizar e etc.
Mudar para uma nova casa ou trocar de emprego pode trazer bastante desconforto.
Quando chegamos nesse ponto as desculpas e os medos que antes nos paralisavam perdem a força, ou simplesmente desaparecem. Vemos várias pessoas que resolvem fazer mudanças profundas em suas vidas depois que recebem um diagnóstico de uma doença grave. Aí todo aquele papo furado de que é difícil se exercitar, mudar a alimentação e trabalhar menos e se orgranizar acaba e a pessoa consegue fazer o que sempre soube que deveria. De repente tudo se encaixa e todas as providências são tomadas.
Embora o sofrimento intenso seja um grande potencializador da mudança, não precisamos esperar que algo drástico assim aconteça para resolver mudar. Observe a sua vida. Você precisa sofrer mais quanto tempo para mudar o que já sabe que deve ser mudado?
A.L

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Hernán Huarache Mamani



O CONCEITO DA MULHER COMO A GRAÇA DE DEUS

“SOU MULHER”; “SOU FEMININA”; “COMO ME SINTO NA MINHA PELE?”
“O QUE ME MOTIVA?”; QUAIS AS MINHAS CRENÇAS?”
“SINTO-ME FELIZ E PLENA, OU…?”; “COMO ME PERCEBO ATRAVÉS DO MEU CICLO MENSTRUAL?”
“É A MENSTRUAÇÃO UM MOTIVO DE TENSÃO?”; “MULHERES QUE FIZERAM HISTERECTOMIA”
... ... “MULHERES COM DESORDEM ALIMENTAR”; “PROBLEMAS COM A IMAGEM”; “MENOPAUSA”
Todos estes assuntos serão abordados, partilhados e por último deixá-los-emos partir enquanto memórias dolorosas!
Durante seis encontros teremos diferentes focos; partilhando os diferentes temas surgirão oportunidades para Sarar, Curar, e por último Honrar e Celebrar com Plena Consciência quem verdadeiramente Somos.
Trabalharemos com o corpo, através de Exercícios soltos, Práticas de Yoga; Meditações; Cânticos Sagrados (Mantras); Desbloqueamento Emocional; Ensinamentos Sagrados.
O propósito destes encontros é ajudar as mulheres a experienciar a sua Força Interior, a sua própria Sabedoria e a sua Graça, para que conscientemente possam participar na poderosa transformação e estrutura do novo mundo. O empoderamento das mulheres é necessário e inevitável.
8-01-2012; 12-02-2012; 04-03-2012; 08-04-2012; 06-05-2012; 03-06-2012 (6 Domingos) das 10h às 14h00.
A REALIZAR EM LISBOA. Vagas limitadas. Se está interessada em participar entre em contacto comigo para saber mais pormenores, através de xuxuta77@hotmail.com.
Grata!

domingo, 4 de dezembro de 2011

PROJECT DROP OF WATER +10 (ENGLISH)



DICAS PARA PROSPERIDADE


Não dar nenhuma desculpa ao teu desejo de ser próspero; é um desejo divino ao qual deve ser dado expressão divina.
A verdade chocante sobre prosperidade é que é chocantemente certo em vez de chocantemente errado ser próspero.
É teu dever seres rico; não tens o direito de ser pobre.
A tua oferta é igual à tua demanda. Não há falta de oferta, apenas uma falta de demanda.
Ninguém te pode limitar. Se tu te queres limitar a ti próprio, podes fazê-lo. Caso contrário todos os recursos do Universo estão ao teu dispor.
Visualiza tanto quanto poderes de ti recebendo e depois reivindica tudo de positivo para essa visualização.
O sucesso adora uma atitude próspera.
Um pensamento próspero é mais poderoso do que 1000 pensamentos de falha.
A falha é apenas um degrau no caminho para o teu sucesso.
Faz a escolha inteligente, persiste com o teu sucesso e não com as tuas falhas.
A gratidão é a porta aberta para a abundância.
Pagar dívidas é um dos primeiros requisitos para te tornares próspero.
A pura verdade é que tens que começar por dar antes que possas começar a receber. Esta é a natureza do universo em que vivemos.
Fortunas verdadeiramente grandes não se fazem por acumulação de dinheiro mas sim por fazê-lo circular.
Pensa apenas em termos prósperos e pensa grande.


(From "Renew to be New", April 1989)

sábado, 3 de dezembro de 2011

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011



Por detrás da mãe que satura há uma mulher que grita a raiva de tanto ser ignorada!!



Lilith, foi a primeira mulher na história da Génese e também é, muito provavelmente, a primeira na estrutura arquétipa da nossa psique. Ela representa a mulher selvagem, instintiva, o feminino em estado bruto e misterioso, o impulso para a livre expressão de si mesma, enquanto que, Eva, aparece como uma mulher "domesticada" aceitando incondicionalmente as normas do meio em que vive . Se, como Lilith, aspiramos a deixar florescer naturalmente a nossa verdadeira identidade, enfrentamos as convenções sociais prevalecentes (Adam). Confrontando-nos assim com uma escolha muito, muito dolorosa: Devemos dar prioridade ao respeito pela nossa integridade (Lilith), ou darmos prioridade ao reconhecimento reconfortante do grupo (Eva)? Por outras palavras, estamos prontas para dar o salto arriscado da emancipação ao jugo do outro, independentemente das consequências?

Logo que nos conformamos com o desejo do outro, (individuo ou grupo), e voltamos as costas a nós mesmas; Transmutamos o arquétipo de Lilith em Eva. Como mulheres, isso significa que aceitamos implicitamente de nos subordinarmos, ou melhor, de sacrificarmos o nosso próprio desenvolvimento em beneficio do dos nossos “mestres” (companheiro, filhos, pais, patrões, etc). Quando nos identificamos, em demasia, à função materna, transformamo-nos no instrumento da felicidade do(s) outro(s), do prazer do(s) outro(s), e esquecemo-nos do essencial: Cuidar de nós para levarmos a bem a realização do Ser Mulher. De mães para filhas, de geração em geração nós somos cúmplices dos condicionamentos socio-culturais que nos incitam a existir através da dedicação ao outro sob forma de penitência, no qual, tanto Lilith como Eva se encontram. Não nos esqueçamos que se Lilith se arrisca a ser marginalizada quando segue o apelo da sua alma; Eva, vê-se severamente punida no dia em que “perde a cabeça”, provando assim que a postura de docilidade engendrada pelo medo, não é sustentável a longo prazo...

Por Ana Vieira

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

segunda-feira, 28 de novembro de 2011



TERAPIA PSICO-CORPORAL


A NOSSA META FINAL É DISFRUTAR ESTANDO NO NOSSA CORPO. NÃO ACONTECE DE UM DIA PARA O OUTRO. É UM PROCESSO GRADUAL. AS NOSSA PRIMEIRAS EXPERIÊNCIAS SÃO MUITAS VEZES INCÓMODAS. O INCÓMODO É A RAZÃO PRINCIPAL PELA QUAL FICAMOS NAS NOSSAS MENTES E EVITAMOS UMA RELAÇÃO COM O NOSSO CORPO. AS EMOÇÕES ESTÃO ARMAZENADAS NO CORPO. ENTRAMOS EM CONTACTO COM TRAUMAS EMOCIONAIS NÃO RESOLV...IDOS QUANDO CONTACTAMOS OS SENTIMENTOS NO NOSSO CORPO. A BOA NOTÍCIA É QUE AS EMOÇÕES FALAM CONNOSCO E PERMITEM-NOS APRENDER MUITO SOBRE NÓS.
O CORPO É UM INSTRUMENTO DA NOSSA ALMA. COMEÇAMOS COM O CORPO, É A BASE DA QUAL PARTIMOS E PODEMOS EXPANDIR A NOSSA CONSCIÊNCIA TÃO LONGE QUANTO QUISERMOS DESDE QUE PERMANEÇAMOS NOS NOSSOS CORPOS. A TENDÊNCIA, CLARO ESTÁ, É A DE DEIXARMOS O NOSSO CORPO. HOJA CONVIDO-VOS A TREINAREM-SE A FICAREM PRESENTES NO VOSSO CORPO ACONTEÇA O QUE ACONTECER. ISTO É UM DESAFIO!

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

sexta-feira, 11 de novembro de 2011



Há um som inaudível
Que me desperta …
Uma silenciosa sinfonia das esferas…
Algo de imenso me acorda agora
De um sono milenar…
O meu ser desperta em cada poro,
Meu corpo renasce,
Meu coração bate outro ritmo.
Sou uma harmonia que dança,
No infinito vibrante…que ressoa …
O cosmos que canta nas minhas células…
Uma doçura inefável me invade
E sou tudo e não sou nada…
Sou pó e ouro, luz e diamante
Sou eternidade.
Sinto o sabor da palavra sonante,
Amante de ti em mim
Sinto-me inteira…
Sou Terra e Mar,
Sou fogo e água e ardo:
Sou a chama trina,
Corpo alma e espírito
Eu sou Una…

11/11/11

R.L.P.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Grandmother Drum - Awakening the Global Heart



Ela sentirá dor pela nossa dor.

" A Mulher Selvagem nos abraçará enquanto estivermos chorando. Ela é o Self instintivo. Ela consegue suportar nossos gritos, nossos uivos, nosso desejo de morrer sem morrer. Ela sabe aplicar os melhores remédios nos piores lugares. Ela ficará sussurrando e murmurando aos nossos ouvidos. Ela sentirá dor pela nossa dor. Ela a suportará. Não fugirá. Embora haja inúmeras cicatrizes, é bom lembrar que, em termos de resistência à traição e à capacidade de absorver a pressão, uma cicatriz é mais forte do que a pele. "

"MULHERES CORRENDO COM OS LOBOS" Clarissa Pinkpla Estés

terça-feira, 1 de novembro de 2011





E O QUE DIZER SOBRE 11-11-2011
Por Shiv Charan Singh




Não há razão para acreditar que algo grandioso ou especial vai acontecer neste dia, comparando com outras coisas especiais que aconteceram em muitos outros dias.
Ainda assim, a preponderância do número 11 nesse dia é excitante para algumas pessoas.

A palavra chave para 11 é alinhamento, e, realmente, vivemos num período em que existem uma série de alinhamentos planetários importantes. Mas deveríamos notar que esses alinhamentos já aconteceram antes, e a data não era 11-11-2011. A ocorrência de 11:11 em relógios digitais é tão frequente como 12:12, 13:13, e tantos outros números do mesmo tipo, e só acontece desde que existe a era digital.

Contudo, tendo em conta que estamos a transitar da consciência de Peixes para Aquário, não é surpreendente que exista um alinhamento profundo em muitos sentidos. Por todo o mundo, as pessoas têm sido confrontadas, ou foram elas mesmas desafiadas, para entrarem num maior alinhamento.
Alinhamento significa que o nosso pequeno mundo encontra maior harmonia com as vastas forças Cósmicas e leis Naturais do Cosmo. O macrocosmo e o microcosmo encontram um paralelismo mais claro entre si. Isto requer uma limpeza de bloqueios e de obstáculos aos níveis intermédios..

11 pode ser reduzido a 2, no qual todos os problemas de dualidade material terão de ser processados antes de chegar a níveis mais altos. Este é o nosso apetite à escala mundial, por coisas como: objectos, drogas, comida, desempenho sexual e tudo o mais que lhes está implicito. A nossa sensação de separação, o desejo da união, saudoso de se fundir, e todas as esperanças, desejos, expectativas, fantasias e desapontamentos que temos dentro desse jogo e ao seu redor. Assim, frequentemente caímos no buraco negro do desespero e da solidão. A saudade em si mesma é inocente, mas não tem de obedecer à chamada dos níveis mais elevados. Como costumamos dizer, o mundo apenas preenche 20% das nossas necessidades totais, as restantes 80% vêm de um caminho espiritual; alinhamento com o divino em tudo e em todos.

Por isso, vale a pena anotar que o número total do dia em questão, 1+1+1+1+2+0+1+1, equivale a 8. Aqui somos relembrados que a saudade infinita é a saudade de voltar para o infinito.
Aquarius é o aguadeiro. Uma compreensão disto é que nós aprendemos a gerir as nossas emoções e a viver mais pela intuição.
8 = 4x2 afogar-se nas emoções
8 = 2x4 duplicar a intuição

Naturalmente a presença do número 11 na data 11-11-2011 oferece-nos muitos momentos para trabalhar no alinhamento. Isto pode ser o alinhamento das partes da nossa própria vida pessoal, ou encontrar solidariedade com os outros. O alinhamento pode acontecer entre o coração e a mente, entre mulheres e homens, entre o ser mais elevado e a alma, entre a comunidade (ser exterior) e o individuo (ser interno).
É uma oportunidade que nos convida a sintonizar a nossa alma com o Cosmos, para restaurar a tua identidade e juntares-te aos outros celebrando-o. Como o 2011 soma em 4, somos relembrados que a comunidade centrada no coração é o que nos manterá a flutuar em tempos conturbados.


11-11-11 é uma boa desculpa para se reunir e partilhar, seja para uma festa, ou uma meditação em grupo ou qualquer outra actividade agradável. Procure oportunidades para se reunir em esforços locais.


Com bençãos para todos
Shiv Charan Singh

terça-feira, 25 de outubro de 2011

terça-feira, 18 de outubro de 2011



"Sente profundamente, expressa-te livremente, ama com verdade, dança com êxtase, beija devagar, ri-te bastante (e de ti mesmo) move-te com magia, rende-te completamente, perdoa honestamente, pede desculpa facilmente, e canta graciosamente. Acima de tudo, vive a Vida no seu fluxo e desfruta! Somos a mudança da maré!

Katinka Soetens, sacerdotiza de Avalon

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

shakti dance tantra 2011, Barcelona




ENERGIA: DIRECÇÃO, FLUXO, BLOQUEIO E VAZIO


O ser humano é um ser pulsante. Nele pulsa o ar, o sangue, a energia! Se fecharmos os olhos e só sentirmos o nosso corpo, podemos sentir os movimentos de contracção e distensão autónomos que no nosso corpo acontecem.

Esta pulsação, que nos conecta com todos os outros seres pulsantes, com o planeta em que vivemos e, mais ainda, com o Universo onde estamos, é a pulsão de vida!

Essa energia que pulsa no nosso centro, quando sem bloqueios, percorre fluidamente o nosso corpo em direcção às extremidades, permitindo-nos agir, sentir e obter prazer por estarmos vivos.
Mas muitas vezes, por razões especificas a cada um, deixamos de sentir esta pulsação e perdemos o contacto com a força maior de vida. Ou seja, perdemos o contacto com essa energia vital que existe dentro de nós. Por esses acontecimentos específicos a cada um, o nosso corpo cria zonas de tensão, que bloqueiam a energia, impedindo a sua passagem. Surgem os bloqueios energéticos que, com a repetição, restringem a nossa capacidade de agir e, mais ainda, de sentir. Tornamo-nos mais cansados, menos alegres, mais mecânicos. Numa situação extrema, aquando de um acontecimento súbito e muito forte, a energia retira-se, criando um vazio, criando uma zona de corpo sem pulsação vital.

Para que possamos voltar a sentirmo-nos vivos, inteiramente vivos, é necessário restabelecer o circuito energético, eliminando os bloqueios, enchendo as zonas vazias, “re-ensinando” à energia o caminho do centro até às extremidades. E assim voltar a sentir prazer!

MARCAÇÕES ATRAVÉS DO 96 568 32 90

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

quarta-feira, 5 de outubro de 2011




Todos somos extensões do campo universal de energia, diferentes pontos de vista de uma única entidade. Isso implica ver todas as coisas do mundo, todas as pessoas do mundo, e perceber que estamos a olhar para uma outra versão de nós próprios. Tu e eu somos o mesmo. Tudo é o mesmo. Todos nós somos espelhos uns dos outros e devemos aprender a ver-nos reflectidos nos outros. A isto se chama o espelho dos relacionamentos. Através do espelho de um relacionamento, eu descobro o meu eu não circunscrito. Por esta razão, o desenvolvimento das relações é o mais importante da minha vida. Tudo o que vejo ao meu redor é uma expressão de mim mesma.
Devi Dyal Kaur


“As Decisões são tomadas para nós antes de nós decidirmos tê-las, isso porque sempre existem milhões de memórias inconscientes nas nossas Mentes Subconscientes, e são essas memórias que tomam as decisões por nós. E como não estamos cientes dessas memórias, precisamos falar com a Divindade, que está ciente delas, e só a Divindade pode cancelá-las.”.
Dr. Len

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Conversando Com Deus - Cena Emocionante!!! " Em Portugues (pt) "






Você poderia ter feito melhor. Será?



Muitas vezes remoemos mentalmente algo do passado que fizemos ou deixamos de fazer dizendo para nós mesmos que poderíamos ter feito melhor ou que deveríamos ter feito diferente.

Cada vez que tomamos alguma ação, ela é sempre a melhor que conseguimos tomar naquele momento, por pior que ela possa ter sido. Os nossos actos dependem do nosso estado de consciência, e esse estado por sua vez, depende da nossa experiência de vida, dos sentimentos negativos que acumulamos e dos sentimentos que estão se manifestando naquele momento.

Inconscientemente consultamos rapidamente todo esse material interior e tomamos nossas decisões a cada instante. Quando nosso estado emocional muda para pior, nossas ações sofrerão a influencia dessa mudança. Quando mudamos emocionalmente para melhor também veremos se refletir uma melhora na qualidade dos nossos actos.

Todas as vezes que analisamos nossos actos passados, estamos julgando nossas atitudes anteriores, que foram realizadas de acordo com o estado de consciência daquele determinado momento, levando em conta o nosso estado de consciência atual que muitas vezes é bem diferente do anterior. E isso pode acabar criando sentimentos de auto cobrança e culpa.

“Eu deveria ter feito diferente” ou “eu poderia ter feito diferente. Não, não poderia. Só se seu estado de consciência fosse diferente na época, mas ele não era. Era exatamente daquele jeito que foi no passado e não tem como voltar e mudar.

Talvez se fosse hoje e a mesma situação do passado se repetisse você teria uma atitude diferente, pois na atualidade você pode ter amadurecido e quem sabe esteja em um estado de consciência melhor. Mas, no passado, seu estado de consciência era exatamente aquele que foi na época, e se você voltasse no tempo faria tudo da mesma forma.

“Ah mas se eu tivesse naquela época a experiência que eu tenho hoje...”. Mas você não tinha. O diálogo mental de auto acusação e lamentação serve apenas para causar sofrimento. Não muda o ocorrido no passado e cria uma negatividade que acaba gerando mais conseqüências para a nossa vida. Quanto mais negatividade carregamos, pior a qualidade das nossas ações e mais sofrimentos iremos causar para nós mesmos e pessoas próximas.

Tudo acontece de forma inconsciente. Pensamos que a auto critica irá nos impulsionar para não repetirmos os erros, mas acontece justamente o contrário. Ela nos coloca em um estado tão negativo que tende a nos paralisar e dificultar ainda mais a mudança. Auto critica é diferente de auto analise. Na primeira pode haver lamentação, auto julgamento e negatividade. Na auto analise há apenas uma constatação das nossas ações passadas, insights e aprendizado.

Se você quer fazer diferente, nada melhor do que o agora, o presente momento para começar a agir diferente. Abandone completamente as lamúrias do passado pois elas servem exclusivamente para criar sofrimento. Esse é apenas mais um mecanismo de fortalecimento do condicionamento mental antigo que alimenta a negatividade e vem passando de geração em geração. A humanidade treinou inconscientemente suas mentes para isso por séculos. É necessários acordar agora para quebrar essa perpetuação.

É preciso ficar atento para não se deixar levar por essa corrente de pensamentos negativos que surgem. Quanto mais intensos forem os pensamentos sentimentos, mais alerta precisamos ficar para que eles não ocupem completamente a nossa mente.


André Lima

segunda-feira, 12 de setembro de 2011






A culpa é para ser desfeita.
O amor é para ser lembrado.
Todos os momentos são oportunidades renovadas para escolhermos de novo: a escolha entre a culpa ou o perdão, a escolha entre o medo e o amor.


Não tenho dúvidas que a nossa natureza é naturalmente boa, amorosa e alegre. A culpa e o medo fazem-nos acreditar de outra forma.

É necessário e urgente relembrarmos uns aos outros que "só o Amor é real".


Ângela Vieira

domingo, 4 de setembro de 2011




“O Outono ensina-me a lidar com a entropia da matéria na intersecção do espaço-tempo, ou por outras palavras com o envelhecimento. Ele ensina-me que a profundidade dos meus erros tem a mesma medida da elevação dos meus sucessos. Por isso, me apazigua comigo mesma. O Outono tem uma luz cálida que abraça todos os elementos numa só tarde: ensina-me a deixar o radicalismo das minhas posições e crenças, e ensina a relatividade de todas as coisas, no seio de um universo onde a verdade maior é Una (é Tudo e Todos).

O Outono sussurra-me nos seus ventos frescos, a importância da fraternidade; as suas cores falam-me da poética do encontro humano, que as suas chuvas convidam a redescobrir. O equinócio do Outono ensina o equilíbrio como valor que restaura vida, e a medida certa de todas as coisas, que importa respeitar nas dimensões humana e natural. O Outono convida-me nas suas danças, a alinhar a personalidade com a minha Alma.

O Outono é para mim como o caminho do meio: avançar pela vida entre o rigor e a compaixão, entre a disciplina e a tolerância, o eu e o outro, o dar e receber… Aprendo com o Outono a gratidão das ultima colheitas recém cortadas, e nesse agradecimento colho a chave da abundância da vida. Nas folhas vermelho ocre vejo os cabelos da Deusa a esvoaçar, nos ventos repentinos, o seu fôlego limpando-nos dos velhos fantasmas da mente e da alma; nas águas mais escuras dos rios vejo o seu sangue a convidar-nos a fluir para um novo estado, mais de dentro e do profundo, mais alinhado com o centro invisível, sereno e doce. No Outono, quero renovar votos de amor para com a natureza, os elementos e comigo mesma. Tão belo, o Outono que assim me ensina a viver…e só sabendo viver bem cada dia da minha vida, posso aspirar a saber morrer bem, quando chegar a hora da passagem, essa que me trará a maior renovação.

O Outono é da Alma, é do reino da memoria, dos momentos que são apenas e só… isso mesmo. No Outono a Deusa chama: dilui-te na lágrima da saudade, dissolve-te no rio do passado, banha-te nos olhos da ternura, molha-te nas chuvas do tempo novo, e sorri …


Vera Faria Leal, Outono 2011

sábado, 3 de setembro de 2011


Ensinaram-nos desde pequenas a fazer as coisas esforçando-nos e nos devolvendo o que devemos... o que esperam de Nós... Desta forma passamos metade da Vida a fazer coisas que não gostamos e a deixar de fazer o que verdadeiramente gostariamos.... porque os que estão perto de Nós acham inconveniente... então para que não fiquem desiludidos conosco ... cedemos....
Tudo isto é um equívoco... pois estamos a enganarmo-nos e a enganar os outros por consequência...
Devemos fazer o que nosso Coração nos sussura....
O que os outros entendem... é algo que terão que aprender sobre eles...
Quando aprendemos a dizer com Amor... isto é o que Eu quero.... isto não quero...... já aprendemos a não ter medo da critica dos outros... e quando não tememos a incompreensão... as criticas... e agimos com respeito e Amor por Nós... curiosamente e pela Lei da correspondência.... os outros passam a entender as nossas decisões... ou pelo não nos oferecem resistência...
Perdemos muita energia e sofremos bastante quando não nos respeitamos... e atrasamos a nossa evolução....
Ruth Fairfield

sexta-feira, 2 de setembro de 2011



O OBSTÁCULO:

Os movimentos são detidos por obstáculos. Estes surgem quando queremos alcançar uma meta num tempo excessivamente curto, quando essa meta não nos convém ou, ainda, quando não temos forças ou as perdemos. Então o obstáculo nos força a parar e nos dá a possibilidade e o tempo para:
- testar a meta,
- congregar novas forças,
- encontrar, talvez, aliados,
- aguardar o momento oportuno e
- harmonizar a nossa acção com a de outras pessoas.

..." Às vezes, basta aguardar até que o obstáculo se desmonte por si. A simples espera do momento oportuno pode enfraquecê-lo: ele perde a sua força. O Tempo trabalha contra o obstáculo e a favor do movimento certo. Quando reconhecemos o obstáculo e inclusive nos "acomodamos" a ele, às vezes, ele associa-se a nós e transforma-se em vigilante do nosso sucesso. Nessa maneira de ver, podemos, às vezes, até mesmo saudá-lo desde o início."

- Bert Hellinger em "Pensamentos a caminho"

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

El Llamado De La Madre Divina a Todas Las Diosas




A negatividade interior atrai negatividade exterior e faz com que sintamos vontade de nos conectarmos com mais sofrimento. Ou seja, a carga emocional de sofrimento que carregamos cria mecanismos para se alimentar e leva-nos de forma inconsciente a buscar mais negatividade. Hoje vamos decidir fortalecer o nosso sistema anti-negatividade e vamos alimentar-nos de coisas lindas e positivas. Podemos e...scolher não ouvir noticiários durante todo o dia, ler um livro que nos auto-ajude, com palavras de autoconhecimento, podemos participar de um curso de uma palestra, entrar em contacto com pessoas mais positivas.
Vamos também limpar os nossos próprios sentimentos negativos, para ficarmos menos susceptíveis às influências externas. À medida que vamos limpando as mágoas, raivas, culpas, medos, traumas e crenças negativas que carregamos no nosso interior ficamos cada vez mais saudáveis e fortalecidos.
Participar no Sábado nesta aula de Kundalini Yoga é uma outra opção. Faça a sua reserva!

KUNDALINI YOGA
SÁBADO DIA 3 DE SETEMBRO – DAS 11H ÀS 12H30 – Lisboa
EXERCÍCIOS PARA O SER INVENCÍVEL
Vamos aliviar medos mentais e sacudir o stress para contactar com a nossa verdadeira essência e a ALEGRIA DE VIVER!
VAMOS JUNTAR PARA FAZER UMA SÉRIE DE EXERCÍCIOS HOLÍSTICOS QUE VÃO PERMITIR QUEBRAR CONVICÇÕES QUE MANTEMOS EM RELAÇÃO A NÓS MESMOS E QUE PROJECTAMOS INCONSCIENTEMENTE NAQUELES COM QUEM NOS RELACIONAMOS.
Preço – 20.00€
Para mais informações entre em contacto comigo através de xuxuta77@hotmail.com

terça-feira, 30 de agosto de 2011

A Raiva


:: Elisabeth Cavalcante ::

A raiva é um dos sentimentos mais intensos que costumamos experimentar e, de modo geral, está relacionada à frustração de nossos desejos e expectativas.
Ela é motivada por uma dor interior, quando nos sentimos traídos ou machucados pela vida e expressamos esta mágoa através de atitudes raivosas. É como se nos sentíssemos impelidos a descontar no restante do mundo a dor que alguém nos causou.

É importante aprender a reconhecer as raízes internas de nossa raiva, para que possamos conscientemente eliminar as causas que nos levam a este sofrimento.

A raiva também pode estar relacionada à criança que fomos um dia. Se em nosso passado, não tivemos a oportunidade de expressar nossa raiva, por termos sido reprimidos por pais muito autoritários, poderemos seguir pela vida engolindo nossa raiva e direcionando-a muitas vezes para nós mesmos, gerando desequilíbrios que cedo ou tarde se manifestarão na forma de doenças.

Aprender a observar nossa raiva no momento em que ela se apresenta é algo muito útil, pois somente conhecendo profundamente a origem deste sentimento em nosso interior, é que poderemos finalmente deixá-la ir embora, não nos apegarmos a ela.

Há circunstâncias na vida em que é difícil não sentir raiva, principalmente quando somos desrespeitados em nossos direitos. Mas, o ideal é lutar por eles de forma sensata, movidos pela energia da justiça e da ética, caso contrário, corremos o risco de nos tornarmos agentes da violência e da agressividade.

A insanidade dominante no mundo atual é resultado da inconsciência, pois muitos seres humanos se deixam dominar pela energia da raiva e permitem que ela os leve a atos dos quais irão se arrepender. Se quisermos construir um mundo de paz, precisamos urgentemente aprender a lidar com nossas emoções de uma forma mais madura e consciente.

A psicologia da raiva é que você queria algo e alguém lhe impediu de conseguir isso. Alguém veio como um bloqueio, como um obstáculo. Toda sua energia estava indo conseguir algo e alguém bloqueou a energia. Você não conseguiu o que queria.
Agora essa energia frustrada transforma-se em raiva… raiva contra a pessoa que destruiu a possibilidade de realizar seu desejo.

...Você não pode impedir que a raiva aconteça porque ela é um subproduto, mas você pode fazer algo para que o subproduto não aconteça de jeito nenhum.

...Na vida, lembre-se de uma coisa: nunca deseje coisa alguma tão intensamente como se isso fosse uma questão de vida ou morte. Seja um pouco brincalhão.

Não estou dizendo, não deseje – porque isso se tornará uma repressão em você. Estou dizendo, deseje, mas deixe seu desejo ser brincalhão. Se você puder realizá-lo, ótimo. Se você não realizá-lo, talvez não fosse o tempo certo; veremos da próxima vez. Aprenda algo da arte de brincar.

...Ficamos tão identificados com o desejo que quando este é bloqueado ou impedido nossa energia pega fogo; ela queima. E nesse estado de quase insanidade você pode fazer alguma coisa da qual você irá se arrepender. Isso pode gerar uma série de eventos que toda sua vida pode ficar enrolada nisso.
Devido a isso, por milhares de anos, eles ficaram dizendo, Sejam sem desejos.

...Mesmo as pessoas que disseram, Sejam sem desejos também deram a vocês um motivo, um desejo: se você ficar sem desejos você irá alcançar a suprema liberdade, nirvana. Isso também é um desejo.

Você pode reprimir um desejo por algum outro desejo maior... Você só mudou o alvo. ...A raiva é sempre proporcional ao desejo.

...É uma infelicidade que nenhuma religião no mundo tenha aceitado o senso de humor como uma das qualidades básicas para o homem religioso. Quero que vocês entendam que o senso de humor, a brincadeira, devem ser as qualidades fundamentais.

Vocês não devem levar as coisas tão seriamente, assim a raiva não surgirá. Vocês podem simplesmente rir da coisa toda. Vocês podem começar a rir para vocês mesmos. Vocês podem começar a rir de situações nas quais vocês estariam raivosos e loucos.

Usem a brincadeira, o senso de humor, a risada. È um mundo grande, e existem milhões de pessoas. Todo mundo está tentando conseguir algo. É muito natural que às vezes pessoas se intrometam nos caminhos um dos outros – não que eles queiram isso, é apenas a situação, é acidental.

...Isso é o que quero dizer quando falo para não levar coisa alguma a sério... nem mesmo você mesmo. E assim você verá que a raiva simplesmente não aconteceu. Não há nenhuma possibilidade de raiva. E a raiva certamente é um dos maiores vazamentos da sua energia espiritual. Seja brincalhão com seus desejos, e assim permaneça o mesmo no sucesso ou no fracasso.

Apenas comece a pensar sobre si mesmo à vontade… nada especial; não que você precisa ser vitorioso, não que você tenha que ser bem sucedido em cada situação.

...Uma vez que isso se estabeleça em seu ser, então, tudo é aceitável. A raiva desaparece e quando ela desaparece, deixa para trás uma tremenda energia de compaixão, de amor, de amizade.
Osho, The Sword and the Lotus

segunda-feira, 29 de agosto de 2011



‎"Fofocar é praticar magia negra em seu pior aspecto, porque é puro veneno. Aprendemos como fofocar firmando um compromisso. Quando éramos crianças, escutávamos os adultos ao nosso redor mexericando o tempo todo, dando abertamente suas opiniões sobre outras pessoas. Eles chegavam até a emitir opiniões sobre pessoas que não conheciam. O veneno emocional era transferido com as opiniões e aprendíamos... que essa era uma forma normal de comunicar-se.

Mexericar tornou-se a forma principal de comunicação na sociedade humana. Tomou-se a forma de nos aproximar uns dos outros, porque nos faz sentir melhor ao ver que outros se sentem tão mal quanto nós.

Existe uma antiga expressão que diz: “A miséria gosta de companhia”, e as pessoas que sofrem no inferno não querem ficar sozinhas. O medo e o sofrimento são uma parte importante no drama do planeta;são a maneira de o sonho do planeta nos manter abaixados."

DOn Miguel Ruiz
in Pistas do caminhoVer mais

sábado, 27 de agosto de 2011



KUNDALINI YOGA



A prática de Kundalini Yoga ensina-lhe a obter um sistema imunológico forte, glândulas vigorosas, um sistema nervoso equilibrado, boa circulação e uma consciência do impacto dos seus hábitos. Através da meditação, poderá acalmar a sua mente e desenvolver a sua intuição para reconhecer o que é verdadeiro e importante para si.

REINÍCIO DAS AULAS A PARTIR DO DIA 01 DE SETEMBRO
HORÁRIOS
2ª. feira - 8h/9h30 - 13h15/14h45 - 19h00/20h30
4ª. feira - 8h/9h30 - 19h45/21h15
Para mais informações contacte-me - xuxuta77@hotmail.com


“A mãe é tudo na vida.
Ela é o consolo na tristeza, o socorro na dificuldade, a força na nossa fraqueza. Ela é a fonte de toda a ternura, da amizade e do perdão. Aquele que é privado da sua mãe perde um coração para o suportar, uma mão para o abençoar e olhos para o proteger…
Tudo na natureza fala da nossa mãe. O sol, mãe da terra, abraça-a, alimenta-a como seu calor, ilumina-a até ao seu crepúsculo, embala-a para ela adormecer ao ritmo das ondas do mar, dos cantos das aves e dos rios. A terra, mãe das árvores e das flores, fá-las nascer, alimenta-as com a sua seiva e, por sua vez, estas tornam-se mães ternas para com os seus frutos suculentos e as suas sementes vivas. A mãe de todas as coisas é a alma universal, eterna, repleta de beleza e de amor…
(…)
A palavra “mãe” esconde-se nos nossos corações como se esconde o núcleo no fundo da terra e aflora aos nossos lábios tanto no momento da maior dor como no de alegria, tal como o perfume que a rosa exala na atmosfera mais pura ou pluviosa”

Les Ailes Brisées – Khalil Gibran

quarta-feira, 17 de agosto de 2011



“Grata sou à luz que me glorifica e à sombra que me transforma.
Grata sou ao sim que me abre o caminho, e ao não que me abre o mistério.
Grata sou aos que me amaram e aos que me espelharam o meu desamor.
Grata sou aos meus êxitos e aos meus erros, com os quais mais aprendi
Grata sou à aliança de oiro do compromisso, a do mel e da paixão, e ao anel de prateado da morte implacável das minhas ilusões
Grata sou aos meus maravilhosos filhos vivos, e ao meu filho que não viveu
Grata sou aos meus amados pais e antepassados; grata sou aos que virão depois de mim, pelos séculos dos séculos. Abençoados sejam.
Grata sou pelas minhas raízes e pelas minhas asas
Grata sou pelas montanhas e pelos oceanos.
Grata sou pelos animais – tanto me ensinam sobre amor incondicional - e pelas árvores –tanto me ensinam sobre a sabedoria.
Grata sou pela gratidão dos outros e pela sua ingratidão, que me ensina o desapego
Grata sou pela vontade da magia, e pela entrega ao vazio do desconhecido, que parirá um novo eu.
Grata sou pelas cores do arco íris e pelo negro do vazio que é tudo.
Grata sou pelo riso e pelas lágrimas que me adoçam.
Grata sou pela beleza e pelo caos, que é apenas a outra face da divindade a recriar o Tempo
Grata sou por mim e pelos outros.
Grata sou pelo berço e pelo caixão, que traz renascimento espiritual.
Grata sou pela musica e pelo silencio onde me re-descubro.
Grata sou pela dança e pela meditação, onde também danço.
Grata sou pela zanga e pelo perdão
Grata sou pela força inimaginável da Vida e pela compaixão da sua outra face, a da morte
Grata sou pela Mulher e pelo Homem.
Grata sou por ser muito menos do que me julgo e muito mais do que alguma vez senti.
Grata sou por ser Vera Teresa, aqui e agora, e onde quer que seja”.


Vera Teresa

quarta-feira, 10 de agosto de 2011



“Para a mulher, a deusa simboliza o seu ser mais profundo, o poder libertador, nutritivo e benéfico. O cosmo é modelado como um corpo de mulher, que é sagrado. Todas as fases da vida são sagradas. A idade é uma bênção, não uma maldição. A deusa não limita a mulher a ser um mero corpo, ela desperta o espírito, a mente e as emoções. Através dela a mulher pode conhecer o poder da sua cólera, assim como a força do seu amor.”
Star Hawk

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

'Sangro pero no muero' de Isa Sanz




É PRECISO SOLTAR O NÓ NA GARGANTA...


"As mulheres estão com um “nó na garganta” porque concordaram, há quatro ou cinco mil anos, manter silêncio acerca da magia e da intuição que representavam e conheciam como parte da chama gémea. A chama gémea consiste na energia masculina e feminina coexistindo num só corpo, quer seja ele fisicamente masculino ou feminino.
Durante este período de mudança, será necessário que as mulheres desatem o “nó da garganta” e se permitam falar. Chegou a hora.

BARBARA MARCINIAK, Mensageiros do Amanhecer
Ed. Ground, São Paulo, 1992

sexta-feira, 29 de julho de 2011

quinta-feira, 28 de julho de 2011




"...O ensinamento da Terra está pronto para se revelar a quem se lhe abre e neste momento é urgente que tentem compreender o seu real valor. É preciso redefinir o valor da Terra como vosso lar e se o fizerem ela sentirá isso e começará a transmitir os seus códigos e memória ancestral...

A Terra sente os vossos desejos e sentimentos. Ela conhece os seres humanos porque é uma entidade viva, biológica....A vitalidade da Terra está à espera de ser descoberta por vocês. Ela pode dar-vos a maior abundância se compreenderam quem Ela é. Pode pensar-se nela como a DEUSA-MÃE - como um aspecto a existência, que os nutre alimenta e embala. Ela é o vosso lar e a vossa mãe, a fonte de onde vieram.”

TERRA - CHAVES PEIADIANAS PARA A BIBLIOTECA VIVA
Barbara Marciniak

quinta-feira, 7 de julho de 2011



QUEM AMA TEM QUE CEDER. SERÁ?


Ceder é o pré-requisito número um para quem quer ter relações afetivas saudáveis, não é mesmo? Para quem apenas deseja viver em harmonia com aqueles que ama, certo? Errado. Explico o porquê.

Desde a mais tenra infância, somos levados a acreditar que só seremos amados e reconhecidos se nos comportarmos da forma esperada, adequada. Nossos pais, quando repreendem determinados comportamentos e apreciam outros, vão construindo em nós uma crença muito perigosa e nociva: a de que seremos abandonados e rejeitados se não os agradarmos. Assim, somos ensinados a agir da maneira que eles esperam e, em troca, ganhamos amor e proteção.

À medida que vamos crescendo, estendemos esse padrão a todas as nossas relações. Nós aceitamos reprimir nossa essência, nossa energia vital para corresponder às expectativas da sociedade (família, professores etc). É o que chamamos de concessão.

Somos os reis e rainhas da concessão. Atire a primeira pedra quem não foi,só para agradar, àquela festa tediosa da família do marido/mulher/namorado/namorada, visitou um parente por obrigação, ouviu aquele amigo/a pela enésima vez sobre suas lamúrias amorosas, acompanhou o cônjuge em um show de uma banda que você detesta, só para citar alguns exemplos.

Temos a ideia equivocada que nos comportamos assim porque somos bonzinhos, gentis e educados. O que custa, afinal de contas, fazer uma visitinha ou ir ao um show que detestamos? Custa. E muito! Não nos damos conta que por trás de tanta bondade está nossa necessidade de aprovação e aceitação. O outro, a quem dirigimos nossa concessão, não tem absolutamente nada a ver com nossa ‘generosidade’.

Na verdade, terminamos abrindo mão do que é essencial e vital para nós com medo de causar desarmonia e desprazer em nossas relações. Assim, passamos a fazer e dizer coisas contra a nossa natureza, minimizando ou negando nossos reais desejos. Esquecemos que a palavra “não” existe em nosso vocabulário e que ela pode e deve ser dita.

O resultado disso tudo, em vez de harmonia, são densentendimentos constantes acompanhados de uma recorrente sensação de frustração e de não apreciação: “eu faço tudo por ele/ela, mas ele/ela não reconhece”, “ele/ela é muito egoísta porque não quer ir comigo à festa”, “não acredito que ele/ela não quer ir comigo à casa da minha mãe, eu sempre faço isso por ele/ela!”.

Quando nos sentimos dessa maneira, é porque as cobranças já se incorporaram ao nosso vocabulário emocional e comportamental, pois quem faz concessão automaticamente cobra. O cobrador é aquele que pede de volta aquilo que deu contra sua vontade. E o pior: a pessoa cobrada nem tem consciência dessa ‘dívida’. Afinal, fomos nós quem aceitamos fazer o que não queríamos, não é verdade?

Concessão nada tem a ver com flexibilidade, que fique bem claro. Podemos fazer pequenas acomodações para vivermos em harmonia com as pessoas, o que está longe de irmos contra a nossa essência. Sair para comer sushi, em vez de pizza que era o que você gostaria, não é concessão quando se aprecia as duas opções.

Portanto, é fundamental que estejamos bastante atentos às concessões. Ceder às exigências de conduta da sociedade só traz prejuízos a nós mesmos e aos que nos rodeiam. Viver em harmonia e com autenticidade tem a ver com assumirmos nossas vontades e necessidades. E isso não implica na mudança do outro, mas na coragem de assumir o que verdadeiramente somos, pensamos e queremos!



André Lima

segunda-feira, 4 de julho de 2011



WORKSHOP

“A Meditação e a Mulher”


Dia 23 de Julho de 2011 das 15h00 às 18h00


A mente foi-nos dada para a usarmos na nossa auto-expansão. Mas nós não a canalizamos nem controlamos. Ela corre selvagem em velhos padrões de pensamentos e hábitos. Se a tua mente não está disponível para ti quando tu precisas, ela é inútil. A função da mente não é apenas para vomitar pensamentos aleatórios! Podemos usá-la para nos auto observar, não apenas para fantasiar.
Neste Encontro:

A. Falaremos do propósito da meditação.
B. Da necessidade de meditar.
C. E tomaremos consciência de como uma mente meditativa na Mulher a impede de cair na armadilha das suas próprias emoções.

Faremos uma Série de exercícios que são um excelente treino para a mente, e também melhoram a má digestão enquanto redireccionam a energia sexual excessiva. Em poucos minutos a mente pode equilibrar-se. Esta é uma das maravilhas do Kundalini Yoga. Em vez de tentarmos controlar um pensamento com outro pensamento, esta Série usa a respiração e exercícios para automaticamente devolver à mente um estado de maior tranquilidade. Isto economiza anos de tempo e meditação. O corpo é a nossa identidade finita.


Através de exercícios, mantras e mudras, iremos desafiar-nos, revitalizar-nos e elevar-nos, seguindo sempre os Ensinamentos de Kundalini Yoga, segundo
Yogi Bhajan.
BENEFÍCIOS DA MEDITAÇÃO: ACALMA, DESENVOLVE A INTUIÇÃO E CONVIDA-NOS A ESTAR PRESENTES.

Levar roupa confortável, mantinha e 1 bloco de notas
Preço 40.00€

quinta-feira, 30 de junho de 2011

sábado, 18 de junho de 2011





O que é Maya? Um conto hindu.
(um grande sábio) disse a Krishna: “Senhor, mostre-me Maya (Ilusão Cósmica)”.



Alguns dias se passaram e Krishna convidou Narada para um passeio pelo deserto e, depois de andarem algumas milhas, Krishna disse: “Narada, estou com sede; você pode trazer-me um pouco d’água?”
“Partirei imediatamente, senhor, para buscar sua água.” Assim, Narada partiu.

Não muito longe havia uma aldeia; entrou nela à procura de água e bateu numa porta, que foi aberta por uma linda mocinha. Ao vê-la, ele se esqueceu, imediatamente, que seu Mestre esperava pela água, talvez morrendo de sede.
Esqueceu tudo e começou a conversar com a moça. Decorrido o dia todo, ele não voltou ao seu Mestre. No dia seguinte, lá estava ele de novo a conversar com a mocinha. A conversa transformou-se em amor; ele pediu a garota em casamento e eles se casaram e tiveram filhos. Passaram-se assim doze anos.
Seu sogro faleceu e ele herdou sua propriedade. Vivia, como pensava, uma vida muito feliz com sua esposa e filhos, com seus campos e o gado e assim por diante. Então, houve uma enchente. Certa noite, o rio encheu-se até transbordar e inundar toda a aldeia. As casas caíram, homens e animais foram arrastados e afogados e tudo flutuava na violência da torrente. Narada teve de fugir. Com uma das mãos segurava sua mulher e com a outra dois de seus filhos; outro filho estava em seus ombros e ele tentava atravessar aquela tremenda inundação. Após dar alguns passos, viu que a corrente estava forte demais e a criança que estava em seus ombros caiu e foi carregada pelas águas. Narada soltou um grito de desespero. Ao tentar salvar a criança, largou uma das outras, que também se perdeu. Finalmente, sua mulher, que ele agarrara com toda sua força, foi arrebatada pela torrente e ele foi arremessado às margens, chorando e soluçando com amargas lamentações.
Atrás dele surgiu uma voz delicada: “Meu filho, onde está a água? Você foi procurar um bocado d’água e estou esperando por você. Já faz meia-hora que você partiu.”
“Meia-hora!“, exclamou Narada. Doze anos tinham se passado em sua mente e todas essas cenas aconteceram em meia hora! É isto que é Maya.

domingo, 12 de junho de 2011




Quando queremos avançar para algo é preciso dar o primeiro passo, arriscar e dar-nos a possibilidade de abraçar o desconhecido, em direcção à meta que estabelecemos.

Não basta sonhar ou desejar para concretizar. Se assim fosse já estaríamos todos felizes e realizados. É preciso estar consciente das barreiras interiores que nos impedem de avançar e de atrair a nós as condições favoráveis, as oportunidades e a abertura interior para reconhecer a resposta da Vida.

Um dos mais significativos propósitos que o ser humano pode estabelecer para si mesmo, é o da sua auto descoberta, conhecendo-se, explorando o potencial infinito que vive em si e que espera pelo simples acordar da consciência para se revelar...

Talvez nos devêssemos perguntar se o valor e a capacidade de realização pessoal podem ser ditadas pelos outros, pelos seus medos, inseguranças, perspectivas, memórias e mágoas, pela histórias das sua vidas, pelo hipnotismo social que domina as suas mentes...

As novas respostas estão fora do campo de consciência que criou os problemas para os quais procuramos a saída. Como encontrá-las se não ousarmos conquistar o nosso poder pessoal, confiando nesse imenso potencial, em espera, que nos incita, cada vez mais, a dar esse passo, rumo ao verdadeiramente novo!

O esforço, o sacrifício e a luta não são os meios mais nobres para atingirmos metas e desfrutar da vida. A essência da Vida é a paz, a alegria, o bem-estar, a harmonia. Somos aqueles a quem a vida serve e não aqueles que servem a vida. Somos seres capazes e criadores por excelência e todo o Universo se rende à nossa majestade, quando nos tornamos sábios o suficiente para abraçar com Amor e sabedoria, a própria Vida, no seu Todo.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

domingo, 29 de maio de 2011



Aproxima-se a Lua Minguante...


É importante enraizar-nos aos ciclos da lua... aos nossos ciclos internos, porque nos permitem utilizar a vitalidade da Mãe Terra... respeitando-a e respeitando-nos. Quando nos conectamos aos ciclos da Lua, aos ciclos do nosso corpo, a... nossa sexualidade (re)aprendemos a canalizar a nossa energia... meditar com a Lua serve de pára-raios interior... de pára-raios do corpo... de pára-raios da essência feminina.
A força... a energia... a vida passa por nós, pelo nosso corpo...pela Terra... de forma cíclica, renovando-nos mês a mês em lugar de "queimar" o nosso corpo a nossa mente. Sintam o abraço da Feiticeira que vos habita a cada Lua Minguante, recebam a sabedoria da Anciã que vos visita durante estes dias que 'Mingam' e alimentam.

«El círculo está abierto, pero intacto,
Que la paz de la Diosa esté en nuestros corazones;
Alegre encontrarse y alegre partir.
Y alegre volver a encontrarse. Bendito Sea.»

quarta-feira, 25 de maio de 2011



WORKSHOP
“Mulher Lunar”


Dia 18 de Junho de 2011 das 15h00 às 18h00- Lisboa
Oficina da Pessoa – Rua 5 de Outubro nº. 56-5º - Lisboa



Introdução à informação de acordo com os Ensinamentos do Yoga, sobre o Ciclo Menstrual e a Menopausa, a Meditação e o conceito de Mulher como a “Graça de Deus”. Estes conceitos serão reveladores, refrescantes, e por vezes emocionalmente desafiadores para todas as participantes.

1º. Encontro

A. Definição de Ser Lunar
B. Qualidades emocionais da Mulher
C. Efeito da Lua sobre o balanço hídrico(da água) na Mulher
D. Identificação dos 11 pontos Lunares no Corpo da Mulher

• Iremos praticar alguns dos 13 exercícios a serem feitos por uma Mulher diariamente.

• Meditação para remover pensamentos obsessivos.

Na vastidão da nossa consciência é obrigatório para uma mulher ser activa, exercitar-se.
O exercício afina o seu corpo, é uma obrigação para ela.
A meditação afinará a sua mente, é uma obrigação para ela.
A oração irá ligá-la à hierarquia da sua consciência, é uma obrigação para ela.
E uma mulher que faz estas três coisas tornar-se-á intuitiva. Ela estará sempre conectada com o seu sexto sentido.
Yogi Bhajan

Levar roupa confortável, mantinha e 1 bloco de notas
Preço 40.00€
Facilitadora – Xuxuta V.Sá Grave 96 568 32 90

sexta-feira, 20 de maio de 2011




Qualquer plano para recuperar a economia é, nesta etapa, um artificio para ganhar tempo. Esta crise foi criada em gabinetes secretos para forçar as nações do mundo a aceitarem regimes para-totalitários com base no medo e na insegurança e não será por medidas económicas que pode ser evitada, pois está desenhada para eclodir, com ou sem planos de financeiros de emergencia.

A crise é artificial mas tem um imenso poder. E tem poder porque a Humanidade adormeçeu e se fixou em simbolos de valor que são insuficientes para representar o Homem. A nossa moeda é uma moeda-numero e não uma moeda-trabalho ou uma moeda-inteligencia ou uma moeda-sensibilidade, representa um valor quantitativo divorciado da qualidade do homem.

O poder deste tipo de instabilidade para gerar panico só é possivel na medida em que as pessoas perderam amplitude em relação aos simbolos de valor. As agencias obscuras que despoletaram esta crise fazem-no na certeza de que o valor é representado por quantidade-dinheiro e não por qualidade-dinheiro. E sem um símbolo de valor, consensual, uma sociedade desagrega-se rápidamente.

E a crise significa que chegou o momento da Humanidade, começando pelos que detêm o poder politico, financeiro e executivo, compreender que os nossos símbolos de valor - entre eles o dinheiro - servem para criar a sequencia desenvolvimento»sustentabilidade»saciabilidade»identidade»liberdade»pesquisa e não para funcionarem como uma droga irresponsável que mantêm o planeta em transe.

Desta crise pode emergir uma moeda-qualidade, uma forma de dinheiro desconhecida, que depende directamente da qualidade psíquica da vida para ter qualquer valor. Esse é o cenário futuro positivo. Uma nova moeda baseada no Ser.

Se assim não for creio que teremos rápidamente que recuperar a nossa relação rural com a vida e com a Natureza.

Isto implica que o momento do reencontro e reunião, daqueles que estão interiormente em contacto com o plano para a iluminação da Terra, nas áreas de protecção ás quais se sentem ligados está a aproximar-se.

Até 2010 cada individuo deverá estar já economicamente estabilizado e psicologicamente centrado na sua tarefa e na zona rural - ou urbana se for o caso - para a qual foi chamado desde há anos. Este é o momento de grandes decisões e da definição das nossas prioridades.

É o poder espiritual e autenticamente humano destes individuos, unidos, trabalhando dentro do que se pode chamar união em liberdade e cooperação em independencia, que pode dissolver os campos obscuros da psicotrónica do governo-sombrae do baixo magnetismo da atmosfera psiquica colectiva e acender farois de esperança, criatividade e vida nos pontos centrais do actual drama terrestre.

Este texto não é um convite a fazer as malas, abandonar a cidade e alienar-se das responsabilidades e oportunidades da actual civilização, mas um sinal para que nos preparemos para criar uma rede de áreas naturais prontas para sustentar a população em caso de crise aguda.

André Louro de Almeida,
Setembro 2008

quarta-feira, 18 de maio de 2011

domingo, 15 de maio de 2011




"...Não sei exactamente em que momento comecei a despertar.
Só sei que comecei a desejar menos, entender de onde vim e a desejar mais,
aprender a estar aqui a cada agora.
Só sei que descobri que a solidão é estar longe da própria alma.
Que ninguém pode nos ferir sem a nossa cumplicidade.
Que, sem que a gente perceba, estamos o tempo todo criando o que vivemos.
Que o nosso menor gesto toca toda a vida porque nada está separado.
Que a fé é uma palavra curta que arrumamos para denominar essa amplidão que é o nosso próprio poder..."

Ana Jácomo

quinta-feira, 5 de maio de 2011



Em nome do Poder ilimitado que vive em mim, ordeno a dissolução de todas as imagens que representam qualquer forma de medo na qual eu tenha acreditado! Reclamo a minha liberdade como senhora absoluta de mim mesma!

terça-feira, 3 de maio de 2011



A causa de todo o sofrimento


“Ainda que se possa fazer todos os filmes mentais possíveis e impossíveis, sempre em número ilimitado porque na mente de cada um manda o próprio, ou assim se julga, raramente, para não se dizer nunca, o filme acontece na realidade. A única sala de cinema onde passa é dentro da cabeça do visado e em mais lado nenhum.” Luís Miguel Rocha in A Mentira Sagrada (Porto Editora, 2011)

É este o motivo de todo o sofrimento. Os filmes que fazemos na nossa cabeça e que nunca correspondem à realidade.

A realidade é aquilo que acontece e, para sofrer, o ser humano tem que acreditar que não deveria acontecer. A realidade tem uma forma deliciosa de ganhar sempre.

Sofremos quando a pessoa amada é infiel (e não deveria ser, claro). Sofremos quando o filho faz uma birra (e não deveria fazer). Sofremos quando há uma guerra (e não deveria haver). Sofremos quando estamos desempregados (e não deveríamos estar). Sofremos quando estamos cansados (e não deveríamos estar). Sofremos quando alguém nos chama de estúpidos (e não deveria chamar).

Poderíamos começar a tornar-nos conscientes de algo tão simples como Aquilo Que Está A Acontecer?

A mente divide a realidade em bom e mau, certo e errado. É aqui que sofre. E se em vez de certo e errado pudesse a mente ver perfeição? A mente vê a duas cores. E normalmente as cores que consegue ver são estas: eu estou certo e tu estás errado. Puro inferno.

Aquilo Que É, É. E ganha sempre. Por mais que tu chores, grites, fiques triste, zangado, enraivecido. A Realidade não quer saber. Acontece sem a tua autorização. Pessoas gritam, o sol nasce no horizonte, uma criança nasce, lixo amontoa-se na rua, alguém morre, um foguete vai para o espaço, uma mosca cai no prato com sopa. Tudo a acontecer sem a tua autorização.

E depois acreditamos arrogantemente que não deveria ser assim. E garantimos o nosso sofrimento.

Se é tão fácil ser-se fiel, poderias tu começar a dar o exemplo? Sê fiel aos teus sonhos.

Se é assim tão fácil permanecer calmo, poderias começar tu a dar o exemplo? Mantêm-te calmo quando eu estou aos gritos no meu inferno pessoal.

Se é assim tão fácil ser-se honesto, poderias tu ser esse exemplo? Sê honesto quando te perguntam se te amas incondicionalmente tal como és.

Se é assim tão fácil sentir-se feliz e em paz, poderias dar-nos o exemplo? Poderias manter-te em paz e feliz quando eu estou triste e desiludido?

Dá-nos o exemplo que queres que nós sejamos. Mostra-nos que é fácil ser quem tu queres que nós sejamos. Assim como assim, nunca nos irás mudar. Apenas podes mudar-te a ti mesmo. Caso ainda não tenhas reparado. Esta é a doce realidade. Tão simples.

A realidade nunca é aquilo que tu acreditas que deveria ser. É muito mais simples.

É Aquilo Que É.

E tu só tens duas opções. Amar ou odiar. Paz ou sofrimento. E a realidade é tão deliciosa que respeita a tua decisão. E continuará a acontecer sem a tua autorização.

Emídio Carvalho


A dor dói. Mas será verdade?


Ontem quis ter a experiência da dor. Como sei que queria esta experiência? Tive-a. Poderia a vida ser mais carinhosa?

Estava a assar sardinhas na brasa e os meus dedos escolheram pegar numa brasa. Poderia dizer que me tinha enganado, e pegado numa brasa em vez da sardinha. E começaria o meu inferno pessoal. A realidade é que os meus dedos queriam pegar numa brasa, porque foi no que pegaram.

E como não largaram a brasa de imediato, soube que queria ter a experiência da dor, de uma queimadura.

Entretanto as minhas pernas mexeram-se rapidamente e levaram-me à casa de banho. Estava curioso. O que iria fazer ali? A mente observava as dores provocadas pela queimadura e questionava-se.

“Não deveria estar com dores” – ria-me.

“Não vou poder fazer massagens” – ria-me.

“O que é que vou fazer agora?” – e continuava a rir-me.

A mente tentava deliciosamente arranjar pretextos para me causar sofrimento. Não conseguia. E experienciava as diferentes nuances da queimadura. As mãos agarraram num frasquinho de óleo puro de alfazema, abriram-no e despejaram o líquido sobre a queimadura. “Ah! Então é isto que a vida quer!”

A vida continuava a fluir através de mim, sem um grama de resistência da minha parte.

Claro que a mente queria queixar-se. Queixar-se a alguém como se os outros fossem um analgésico. A mente ainda não descobriu que a queixa é completamente inútil. Sem utilidade. Se acreditasse na mente, e me queixasse, estaria louco.

A dor física é algo natural. Mas o que pude observar é que o que causa mal-estar, sofrimento, não é a dor física mas a luta que a mente trava contra essa dor. A desejar que não exista, quando está presente. A querer as coisas diferentes daquilo que são.

Depois a vida levou-me para o jardim. Os dedos latejavam. Eu observava, à procura de pensamentos que pudessem causar-me sofrimento. Veio apenas mais um: “Este latejar provoca-me muito desconforto”. E vi imediatamente que o que me provocava desconforto era o pensamento. O latejar mantinha-se independentemente de a mente querer ou não a experiência. Mas eu sabia que queria esta experiência, pelo simples facto de estar a passar por ela.

Os pássaros chilreavam, gotas de chuva caiam, o vento soprava, e os meus dedos latejavam. Mantive-me envolvido na experiência total de estar vivo.

Eventualmente o latejar desapareceu, voltou ao lugar de onde tinha vindo: nada. E sorriu. É para lá que também um dia eu irei. Delicioso.
Emídio Carvalho

Mujer de Luz

domingo, 1 de maio de 2011



A mulher é o recipiente através do qual entramos no planeta Terra. Na tradição do Yoga a mulher é chamada de Adi Shakti, que é a energia ou a força primordial. Cada mulher carrega esta bênção e, com esta bênção vem a responsabilidade de ser Mãe. A mulher é um ser criativo por natureza, pode estar a criar filhos no seu corpo ou criando ideias, projectos, ambientes. A mulher tem o poder de conceber e criar através da força da sua renúncia, do seu amor, da sua clareza e pureza.
Rezar


Rezar é uma capacidade poderosa no homem. Rezar é quando a consciência finita aborda o Auto infinito. Abre o coração e agradece a todas as pessoas que criaram e trouxeram esta consciência através do tempo para que tu possas desfrutar dela agora.
Podes pedir o que quiseres em oração pois o Dador é infinito, e Ele dá tudo. Se o coração pode abrir em oração compassiva de humildade, cada batida do coração pode trazer um milagre.
Uma maneira muito universal para oferecer uma oração é dedicar parte da tua força de vida para o que tu pedires.
Inspira e sustem a respiração.
Pela paz no mundo. Pela saúde de todos, para que todos sejam felizes. Para aqueles que estão sós possam ter o seu parceiro. E que Deus possa achar misericórdia em todos, e em cada um individual.
Diz esta oração nesta respiração.
E por favor expira.
Esta é a caridade da respiração.
Inspira outra vez.
Reza por todos os entes queridos, diz nomes, Conhecidos, desconhecidos, no planeta inteiro, por aqueles que estão doentes, os que estão infelizes, sem saúde e precisam de espírito. Manda este pensamento fazendo uma oração, nesta respiração, e deixa ir. Inspira profundamente outra vez para acabar com todas as causas e efeitos que afectam todos os homens e os tornam infelizes, por tudo o que trás guerra e destruição, por tudo o que trás ódio e inveja. Diz a oração nesta respiração e deixa ir.
Oh Sem Forma em cada forma
Oh Infinito de cada finito.
Oh Desconhecido, conhecido através de toda a criação.
Oh, Além, ainda ligado pelo amor. Foi a Tua graça que Tu falaste e ouviste. Tu tornaste possível que todas as pessoas, as Tuas criaturas viessem e pudessem partilhar a Tua graça. Dá-nos poder para poder caminhar no caminho da justiça; Dá-nos humildade para servir e encontrar o amor no nosso irmão; Dá-nos tranquilidade e paz para encontrar as esferas superiores da consciência. Possa a Tua graça guiar-nos para a luz do infinito; Possa a nossa viagem no mundo ser bem-sucedida para espalhar o Teu serviço de modo a que a humanidade possa compartilhar. Que este dia nos traga uma jornada pacífica pela frente. Que a tua graça permaneça. E que Nos possas elevar à mais alta consciência. Oh Deus dos Deuses. Oh Senhor dos Senhores. Se tens sido tão bondoso e misericordioso para nos unir a Ti. Oh Infinito, oh Desconhecido,
Oh Além
Ainda ligados pelo amor.
Dá-nos o poder da felicidade, alegria e glória, para que possamos viver no êxtase da consciência.
Sat Nam

sexta-feira, 22 de abril de 2011




Os ovos são símbolos da Lua, da Terra, da criação, do nascimento e da renovação. A iniciação nos Mistérios Femininos é vista como um renascimento, análogo ao ato de sair da casca. O círculo, a elipse, o ovo, o ventre grávido são símbolos da plenitude misteriosa da gestação e da criação. O centro de um círculo é um espaço protegido e seguro, semelhante à escuridão do ventre e do ovo. Inúmeras estatuetas representam as deusas neolíticas associadas com a Lua ou o ovo. No folclore de vários povos europeus existem crenças ligadas ao ovo, considerados símbolos de fertilidade, humana ou animal.

quarta-feira, 20 de abril de 2011




WORKSHOP
YOGA IMUNITÁRIO




Conheça-se melhor, de modo a que doenças e/ou energias nocivas

não cheguem até si.

Dia 7-05-2011 - Das 15h às 18h
Oficina da Pessoa – Av: 5 de Outubro, nº 56-5º-Lisboa

Por tudo o que está a acontecer no mundo, às vezes sentimos que a terra se move um pouco abaixo dos nossos pés. O que antes nos deu segurança pessoal, já não dá. Mais do que nunca, é preciso sentir segurança e confiança em nós próprios, e parar de olhar para fora. No exterior não há nada nem ninguém que nos possa ajudar, nem ontem nem hoje nem ámanhã. É o trabalho interno que cada um faz individualmente ou em grupo.

Vamos trabalhar física (logo também emocionalmente, pois todo o desbloqueamento físico proporciona desbloqueamento e libertação mental) com técnicas de Kundalini Yoga conectando-nos com a verdadeira essência do que é a confiança e a fé em nós próprios para enfrentar os tempos que vivemos com coragem, alegria, e esperança.
O que vos proponho é um ritual de transformação. A chave dos exercícios que faremos são a conexão entre os dedos e os 5 elementos (terra, água, fogo, ar e éter). Os 5 elementos e as 5 partes de cada hemisfério cerebral correspondem-se. Estes elementos estimulam o cérebro a libertar problemas antigos e emoções, de forma a podermos alcançar um novo equilíbrio e integração.


Quando inspiro, acalmo o meu corpo.
Quando expiro, sorrio.
Quando habito no momento presente,
Sei que é um momento maravilhoso!
Thich Nhat Hanh



Duração – das 15h00 às 18h00
Cada elemento deve levar 2 laranjas (com casca), é essencial para a prática que vamos fazer, por isso não vale esquecer.
Roupa confortável e uma mantinha para se taparem.
Preço por pessoa – 40.00€